São 5h15 da manhã e o despertador do José Augusto, Guto para os íntimos, já tocou. Ele levanta, espia o celular para checar as mensagens, calça seu tênis, veste o calção, a camiseta e vai para a pista correr antes mesmo do sol vir dar bom dia.

Ao final do percurso, ele posta em suas redes sociais o trajeto feito, tempo e quilometragem rodada. Logo recebe mensagens do grupo de amigos (que ainda estão na cama): “Traz pão”, brinca um. O outro fala “Já correu por mim, valeu!” e por aí vai a troca de mensagens até chegar ao trabalho.

Já no escritório, o Guto que é gerente de TI, precisa falar com os membros da equipe para saber se o projeto de Campinas está rodando como deveria ou se ele pode ajudar em algo. Já manda mensagem também para o André e o Pedro que estão alocados em Curitiba e depois para o Marcos que foi para Salvador. E assim, vai monitorando e se fazendo próximo, mesmo quando a distância física é grande.

Os aplicativos de mensagens são ferramentas de trabalho e de comunicação indispensáveis para o Guto, para o time dele, para os amigos, familiares e para você que está lendo este post também, certo?

Somente hoje, quantas mensagens você já enviou e recebeu? Ao menos uma, posso apostar.

Reportagem divulgada pela revista Exame aponta que são 38 milhões de mensagens enviadas pelo Whatsapp em apenas 1 minuto*, chegando a 1,6 quadrilhão de mensagens por mês! E esse número tende a aumentar devido às novas iniciativas da empresa, como o Whatsapp Business, por exemplo.

O volume impressionante é prova de que a forma como nos comunicamos mudou devido ao uso da tecnologia, que torna a troca de informações e arquivos cada vez mais rápida e eficiente.

Empresas conectadas ao seu tempo e focadas em oferecer sempre a melhor experiência aos clientes precisam atualizar suas formas de comunicação, de modo a acompanhar o que já é natural para os seus consumidores e colaboradores.

Todo esse movimento explica o boom dos chatbots no mercado.

O nome chatbot vem de “chat” que significa conversa em inglês e da abreviação de “Robot”, que é robô. A grosso modo seria “conversa com um robô”, ou seja, ao invés de uma URA (Unidade de Resposta Audível) solicitar “digite 1 para isso, digite 2 para aquilo”, entra uma comunicação muito mais fluída e natural, resolvendo os problemas ou dúvidas de um jeito que as pessoas já estão bem acostumadas a se comunicar.

Para o Gartner, as empresas que buscam “opções de valor baseadas em tecnologia devem se mover mais rapidamente à medida que suas iniciativas de negócios digitais caminham em alta velocidade”. Nesse contexto, o chatbot é uma inovação que pode ser implementada em pouco tempo e que traz resultados cada vez mais robustos, conforme vai sendo utilizada e aprimorada.

A consultoria afirma ainda que o uso adequado dos bots tende a elevar o engajamento do colaborador ou do cliente, porque essa tecnologia permite automatizar tarefas operacionais, deixando tempo livre para trabalhos não padronizados que geram muito mais valor para o negócio.

Imagine que o Guto, personagem fictício que ilustrou o começo deste post, precisasse pagar o boleto da TV a cabo e tivesse perdido o papel. Hoje, ele teria que passar por, pelo menos, 3 etapas:

  1. Ligar para a central de atendimento e seguir uma URA ou entrar no site da empresa;
  2. Digitar uma sequência de números ou senha e seguir mais algumas orientações até, finalmente conseguir a segunda via do boleto;
  3. Entrar no site do banco, ou aplicativo, digitar a senha, mais alguns cliques e só depois realizar o pagamento da fatura.

Com um chatbot, o Guto apenas mandaria uma mensagem ao assistente virtual solicitando a segunda via e já pagaria ali mesmo, na mesma interação. Não seria nada complexo para ele e a empresa derrubaria custos com atendimento ao cliente e ainda estaria oferecendo uma boa experiência.

O Guto está disposto a levantar cedo, mas nem por isso tem tempo a perder. Agilidade, praticidade e eficiência todo consumidor quer, não é mesmo? E sua empresa pode oferecer tudo isso adotando os chatbots em diversos processos.

Acompanhe nosso blog para saber mais sobre os chatbots e como eles podem impactar sua vida pessoal e profissional. Até o próximo post!

*Ficou curioso para saber o que acontece na internet em 1 minuto? Clica aqui!